“Floresta de Enganos” retoma temporada em Évora

Dezembro 7th, 2021
© Carolina Lecoq

Retoma amanhã, quarta-feira 8 de Dezembro, a temporada de “Floresta de Enganos”, de Gil Vicente, no Teatro Garcia de Resende, em Évora.
A terceira co-produção entre o CENDREV e A Escola da Noite tem encenação de José Russo e fica em cena até domingo, 12 de Dezembro. O espectáculo é apresentado em Coimbra em Janeiro de 2022.

Escrita e representada pela primeira vez em Évora em 1536, “Floresta de Enganos” é a última obra de Gil Vicente. Considerada, a muitos títulos, como uma “peça-problema” dentro da obra vicentina, é uma peça de enigmas e mistérios, de subentendidos que deixaram de ter o seu contexto, em que se cruzam os planos de seres mitológicos e terrenais.

TEATRO (ESTREIA)
Floresta de Enganos
de Gil Vicente
co-produção CENDREV / A Escola da Noite
Évora, Teatro Garcia de Resende
até 12 de Dezembro de 2021
quarta a sábado, 21h30

domingo, 16h00
M/12 > 70?

informações e reservas:
266 703 112 / geral@cendrev.com

Nos termos da legislação recentemente aprovada (número 2 do artigo 13.º da Resolução do Conselho de Ministros 157/2021, de 27 de Novembro) o acesso ao Teatro implica a apresentação de Certificado Digital COVID da UE.

Hoje, às 21h30, no TCSB: apresentação do livro “O negócio da saúde”, de Bruno Maia

Dezembro 6th, 2021

Hoje, segunda-feira 6 de Dezembro, pelas 21h30, acolhemos no Bar/Livraria do TCSB a apresentação do livro “O negócio da saúde. Como a medicina privada cresceu graças ao SNS” de Bruno Maia, editado pela Bertrand Editora.

O aparecimento deste livro de Bruno Maia, num período em que mais uma vez se pretende discutir o papel do sector privado no sistema de saúde, é uma grande contribuição para o conhecimento e a desmistificação do papel dos privados na saúde.

Ana Jorge, médica e ministra da Saúde (2008-2011), na Nota introdutória

Este é um livro sobre a medicina privada em Portugal, mas falar sobre saúde privada é falar também, e incontornavelmente, sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS). Portugal já tinha medicina privada antes de ter SNS – uma medicina privada muito diferente da dos dias que correm. A que temos hoje é moldada por e está dependente do SNS. Os grandes grupos económicos que dominam o sector da saúde são alimentados pelas falhas do sistema público e pelas rendas do Estado.
Este livro analisa o SNS, o sector privado e a complexa relação entre ambos a partir de dados de acesso público, produzidos por instituições oficiais. Percorre a história e os resultados dos grupos José de Mello Saúde e Luz Saúde, com desvios ilustrativos acerca dos grupos Lusíadas e Champalimaud e a Associação Nacional de Farmácias.

Em O Negócio da Saúde somos convidados a viajar com enorme entusiasmo pela tensão das escolhas e pela descrição dos atores. Fazemos o percurso de conflitos e alternativas, nem sempre evidentes (…). E isso é feito a partir de informação cuidada e da apresentação de opções bem argumentadas e quantificadas. Há neste trabalho de Bruno Maia o desenrolar das ideias e dos rostos da escolha privada em saúde proposta ao país. Das teias de relações e potenciais conflitos com que as políticas se vão desenhando, e o que com isso se estará a perder por oposição ao que é apresentado pelos proponentes da opção privada como vantajosa e eficaz (…). O livro deixa uma escolha explícita e alguns avisos inequívocos.

Henrique Barros, epidemiologista, especialista em saúde pública e presidente do Conselho Nacional de Saúde, no Prefácio

APRESENTAÇÃO DE LIVRO
O negócio da saúde. Como a medicina privada cresceu graças ao SNS
de Bruno Maia
com a presença do autor e apresentação de António Rodrigues (médico) e Carla Silva (médica)
6 de Dezembro de 2021
segunda-feira, 21h30

Livraria do TCSB > entrada gratuita
org. Bertrand Editora

Nos termos da Lei, o acesso aos espectáculos e eventos no TCSB está condicionado à apresentação de Certificado Digital COVID da UE.

Bruno Maia é médico especialista em Neurologia e Medicina Intensiva. Dedica-se ao diagnóstico e tratamento do acidente vascular cerebral e coordena a atividade de doação de órgãos no Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central. Ativista pela legalização da canábis, da eutanásia e pelos direitos LGBTQI+, é dirigente do Bloco de Esquerda.

Amanhã no TCSB: Clube de Leitura Teatral com Rita Natálio

Dezembro 6th, 2021

Interessa-me a diferença porosa entre pessoas e coisas, e os limites entre a linguagem como corte (fixando normas e identidades) e a linguagem como fluxo, não-comparativo. É possível pressupor na “abstração” da linguagem do corte a sua força de “extração”, assim como é desejável pensar a linguagem como corrente ou fluxo, isto é, uma língua da travessia.

Rita Natálio

Os seus espaços de prática relacionam poesia, escrita ensaística e performance. A partir da sua pesquisa doutoral, realizou uma série de conferências-performance, entre elas “Antropocenas” (2017) com João dos Santos Martins, “Geofagia” (2018) e “Fóssil” (2020). Publicou também dois livros de poesia (“Artesanato”, 2015 e “Plantas humanas”, 2017). Em 2019, participou de um grupo curatorial fomentado por Ailton Krenak que organizou “Ameríndia: percursos do cinema indígena no Brasil” na Fundação Calouste Gulbenkian, uma mostra que trouxe cinco cineastas indígenas a Portugal e apresentou mais de 30 filmes de produção indígena. Em 2020, Rita Natálio co-organizou o seminário “Re-politizar o Antropoceno” dentro do projeto internacional Anthropocene Campus Lisboa junto com Davide Scarso e Elisabeth Johnson, projeto originado no HKW em Berlim e atualmente disseminado em diversas instituições culturais. Co-organiza, com André e.Teodósio, uma chancela editorial Ed.______ que resulta da parceria Sistema Solar/Teatro Praga e que tem como foco as artes performativas e os sistemas de poder e protesto na atualidade. Colabora regularmente com o jornal de artes performativas Coreia.

A sessão de dezembro será aberta a todos/as os/as que quiserem ler ou, simplesmente, assistir à leitura no TCSB e será seguida de uma conversa informal com o público presente.
Esta leitura faz parte do ciclo Dramaturgos ao poder! Painel da Dramaturgia Portuguesa Contemporânea do Clube de Leitura Teatral, uma iniciativa conjunta do TAGV e d’A Escola da Noite.

TEATRO | LEITURA
Textos de Rita Natálio
Leitura dirigida por Rita Natálio
Clube de Leitura Teatral
7 de Dezembro de 2021
terça-feira, 18h30

> 90 min > entrada gratuita
co-organização: TAGV / A Escola da Noite


Nos termos da Lei, o acesso aos espectáculos e eventos no TCSB está condicionado à apresentação de Certificado Digital COVID da UE.

Dezembro no TCSB

Dezembro 4th, 2021

MÚSICA
De mãos dadas
Pardalitos do Mondego e convidados
4 de Dezembro de 2021
sábado, 17h30

M/6 > 75 min 
> entrada gratuita sujeita a reserva de lugar

APRESENTAÇÃO DE LIVRO
O negócio da saúde. Como a medicina privada cresceu graças ao SNS
de Bruno Maia
com a presença do autor e apresentação de António Rodrigues (médico) e Carla Silva (médica)
6 de Dezembro de 2021
segunda-feira, 21h30

Livraria do TCSB > entrada gratuita
org. Bertrand Editora

TEATRO | LEITURA
Textos de Rita Natálio
Leitura dirigida por Rita Natálio
Clube de Leitura Teatral
7 de Dezembro de 2021
terça-feira, 18h30

> 90 min > entrada gratuita
co-organização: TAGV / A Escola da Noite

APRESENTAÇÃO DE LIVRO
O futuro já não é o que nunca foi. Uma teoria do presente
de Francisco Louçã
com a presença do autor e apresentação de Luis Trindade (historiador) e Sofia Santos (professora da FEUC)
13 de Dezembro de 2021
segunda-feira, 21h30

Livraria do TCSB > entrada gratuita
org. Bertrand Editora

MÚSICA
Ficar a ver estrelas
Taleguinho
18 de Dezembro de 2021
sábado, 11h00

M/3 > 60 min
> 6 € (bilhete individual); 10 € (adulto+criança)
[Sábados para a infância no TCSB]

informações e reservas:
239 718 238 / 966 302 488 / geral@aescoladanoite.pt

Nos termos da Lei, o acesso aos espectáculos e eventos no TCSB está condicionado à apresentação de Certificado Digital COVID da UE.

“Floresta de Enganos” estreia hoje no Teatro Garcia de Resende, em Évora

Dezembro 2nd, 2021
@ Carolina Lecoq

O Cendrev e A Escola da Noite estreiam hoje, em Évora, “Floresta de Enganos”, de Gil Vicente. A terceira co-produção entre as duas companhias tem encenação de José Russo e fica em cena no Teatro Garcia de Resende até 12 de Dezembro, de quarta a domingo. O espectáculo é apresentado em Coimbra em Janeiro de 2022.
Faça-nos companhia!


Escrita e representada pela primeira vez em Évora em 1536, “Floresta de Enganos” é a última obra de Gil Vicente. Considerada, a muitos títulos, como uma “peça-problema” dentro da obra vicentina, é uma peça de enigmas e mistérios, de subentendidos que deixaram de ter o seu contexto, em que se cruzam os planos de seres mitológicos e terrenais. 
Classificada como comédia na Compilação de 1562, esse é o tom em que a peça se desenvolve, com personagens que reciprocamente tentam enganar-se em histórias paralelas e um “gran finale”, com casamento e música. No prólogo, o Filósofo anuncia mesmo uma “fiesta de alegría”, que começa com um Mercador que “pensando d’enganar, / ha de quedar engañado” e nos há-de contar a história de Grata Célia, filha do Rei Telebano, vítima dos amores do próprio Cupido e dos sucessivos enganos que este engendra para conquistar o afecto da Princesa.
Ao contrário do resto da peça, e sobrevivendo como “texto autónomo”, este prólogo tem contudo acentos trágicos. O Filósofo, com um Parvo atado ao pé, preso e proibido de falar, não deixa de segredar ao público que está a pagar pelo que disse, pelo que criticou, pelos seus “consejos muy sanos”. Escrito no mesmo ano em que a Inquisição haveria de chegar a Portugal e ponto terminal da obra de Gil Vicente, o discurso deste Filósofo parece constituir um testemunho e um testamento das ideias políticas, sociais e religiosas do autor.

@ Carolina Lecoq

Com encenação de José Russo, director artístico do Cendrev, “Floresta de Enganos” é a terceira co-produção entre as duas companhias, depois de “O Abajur Lilás”, de Plínio Marcos (2012) e de “Embarcação do Inferno”, também de Gil Vicente (2016). O texto é representado em Português, com a tradução dos versos castelhanos feita por José Bento em 1999, para o Teatro da Cornucópia e publicada pela Assírio & Alvim. O elenco é composto por Ana Meira, Beatriz Wellenkamp Carretas, Hugo Olim, Ivo Luz, Jorge Baião, José Russo, Maria Marrafa e Miguel Magalhães e o espaço cénico foi criado por João Mendes Ribeiro, Luísa Bebiano e Sebastião Resende (também autor das esculturas que integram a cenografia). A equipa artística inclui ainda Paulo Vaz de Carvalho (música e oralidade), Ana Rosa Assunção (figurinos e adereços) e António Rebocho (desenho de luz).

Em Évora, o espectáculo pode ser visto no Teatro Garcia de Resende entre 2 e 12 de Dezembro, de quarta a sábado às 21h30 e ao domingo às 16h00. Os bilhetes podem ser comprados online ou reservados antecipadamente pelos contactos habituais do Teatro. 
Nos termos da legislação recentemente aprovada (número 2 do artigo 13.º da Resolução do Conselho de Ministros 157/2021, de 27 de Novembro) o acesso ao Teatro implica a apresentação de Certificado Digital COVID da UE.

TEATRO (ESTREIA)
Floresta de Enganos
de Gil Vicente

co-produção Cendrev / A Escola da Noite
 texto Gil Vicente
tradução dos versos castelhanos José Bento
encenação José Russo
interpretação Ana Meira, Beatriz Wellenkamp Carretas, Hugo Olim, Ivo Luz, Jorge Baião, José Russo, Maria Marrafa, Miguel Magalhães espaço cénico João Mendes Ribeiro, Luísa Bebiano, Sebastião Resende esculturas Sebastião Resende música e oralidade Paulo Vaz de Carvalho desenho de luz António Rebocho figurinos, adereços e imagem gráfica Ana Rosa Assunção cabelos Carlos Gago consultadoria científica José Augusto Cardoso Bernardes
banda sonora David Cruz, viola da gamba; Manuel Tavares, vihuela; Paulo Vaz de Carvalho, vihuela; Sara Almeida, soprano gravada por João Silva e Henrique Toscano na BLUE HOUSE mistura Paulo Almeida

Évora, Teatro Garcia de Resende
2 a 12 de Dezembro de 2021
quarta a sábado, 21h30
domingo, 16h00

M/12 > 70′

informações e reservas:
266 703 112 / geral@cendrev.com