Posts Tagged ‘Gonçalo M. Tavares’

Cidade, Diálogos até 30 de Maio, de quarta a domingo

Segunda-feira, Maio 3rd, 2021
“Cidade, Diálogos” – foto de ensaio (© Eduardo Pinto)

A Escola da Noite estreia a 13 de Maio “Cidade, Diálogos”, com textos de Gonçalo M. Tavares seleccionados a partir do livro “O Torcicologologista, Excelência”. O espectáculo fica em cena em Coimbra, no Teatro da Cerca de São Bernardo, até 30 de Maio, de quarta a domingo.

“Cidade, Diálogos” é a 71.ª criação d’A Escola da Noite e conta com encenação de António Augusto Barros, interpretação de Ana Teresa Santos, Igor Lebreaud, Miguel Magalhães e Paula Garcia, espaço cénico de António Augusto Barros e João Mendes Ribeiro, figurinos e adereços de Ana Rosa Assunção, luz de Danilo Pinto, som de Zé Diogo e vídeo de Eduardo Pinto.
Estreia a 13 de Maio no Teatro da Cerca de São Bernardo, em Coimbra, mantendo-se em temporada até ao final do mês, com sessões de quarta a sábado às 19h00 e aos domingos às 16h00. Já é possível reservar bilhetes, pelos contactos habituais do TCSB: 239 718 238 / 966 302 488 / geral@aescoladanoite.pt.

O Torcicologologista, Excelência
Publicado pela Editorial Caminho em 2015, o livro “O Torcicologologista, Excelência” divide-se em duas partes.
Na primeira, integralmente composta por diálogos, “duas excelências, dois senhores que se tratam com muito respeito vão falando sobre várias questões e acima de tudo sobre o absurdo da linguagem, tentando entender o mundo e tentando entender os buracos da linguagem”. A herança da tradição do “diálogo filosófico” é defendida pelo autor: “o diálogo obriga a aparecerem coisas que não apareceriam de outra maneira e é interessante que o diálogo platónico, de onde parte tudo, de alguma maneira, tinha muito esta ideia de que só é possível chegar à verdade através de duas pessoas. O diálogo verdadeiramente diálogo é aquele que me obriga a dizer algo que eu não diria se não tivesse um interlocutor”.
Na segunda parte do livro – “Cidade” – um número indeterminado de humanos cumpre um ritual de voyeurismo cínico. Parecem elaborar ou actualizar um relatório, aparentemente objectivo, sobre a vida íntima dos habitantes da cidade, identificados por números. Através de microscópicas visões das pequenas tragédias, gestos, afectos, paixões e equívocos dos observados, parecem perseguir a utopia de radiografar, apreender, a vida da cidade, o pulsar da sua humanidade. Desse gesto, porque são os observadores que produzem o discurso, afloram, inevitavelmente, interpretações e subjectividades. “É uma espécie de zoom por uma cidade, tentando pensar o que é uma cidade”, afirmou Gonçalo M. Tavares numa entrevista a propósito da edição do livro.

Cidade, Diálogos
O novo espectáculo d’A Escola da Noite cruza as duas partes do livro e prossegue a “investigação sobre a linguagem” que o próprio escritor assumiu como característica da obra: quanto às relações entre as palavras e o movimento, o espaço e a música e quanto ao lugar do indivíduo nesse processo de relação com o outro – emissão/recepção; fala/escuta; poder/submissão; pontos, meios e focos de observação das cidades e do mundo em que habitamos.
A escolha da obra de Gonçalo M. Tavares insere-se numa das linhas de trabalho em que assentam o projecto e a linguagem artística d’A Escola da Noite: a transposição cénica de textos não especificamente teatrais – poesia, contos, parábolas –, caminho que levou já a companhia a autores como Thomas Bernhard, Kafka, Ruy Duarte de Carvalho, Javier Tomeo ou José Rubem Fonseca, entre outros.

Gonçalo M. Tavares
Gonçalo M. Tavares nasceu em Luanda em 1970. É autor de uma vasta obra que está a ser traduzida em cerca de cinquenta países. É considerado um dos mais inovadores escritores europeus, pela forma como rompe as habituais fronteiras entre géneros literários – “não há nenhum género literário puro, todos os géneros literários são impuros, mestiços, morenos, são géneros literários de infinitas raças simultâneas”, afirmou numa entrevista, em 2018. Foi distinguido com mais de vinte prémios literários, em Portugal e no estrangeiro.

TEATRO
Cidade, Diálogos
de Gonçalo M. Tavares
A Escola da Noite

textos Gonçalo M. Tavares
encenação António Augusto Barros
interpretação Ana Teresa Santos, Igor Lebreaud, Miguel Magalhães e Paula Garcia
espaço cénico António Augusto Barros e João Mendes Ribeiro figurinos e adereços Ana Rosa Assunção desenho de luz Danilo Pinto som Zé Diogo vídeo Eduardo Pinto cabelos Carlos Gago
M/14 > 1h30

Coimbra
Teatro da Cerca de São Bernardo
13 a 30 de Maio de 2021
quarta a sábado, 19h00
domingos, 16h00

informações e reservas:
239 718 238 / 966 302 488 / geral@aescoladanoite.pt

Cidade, Diálogos estreia a 13 de Maio

Quarta-feira, Abril 28th, 2021
Cidade, Diálogos – foto de ensaio (© Eduardo Pinto)

A Escola da Noite estreia no próximo dia 13 de Maio, quinta-feira, “Cidade, Diálogos”. O espectáculo reúne mais de duas dezenas de textos de Gonçalo M. Tavares, seleccionados a partir do livro “O Torcicologologista, Excelência”. Os dias e as horas exactas das sessões serão anunciados no início da próxima semana, de acordo com as regras do desconfinamento que vierem a ser estabelecidas.

“Cidade, Diálogos” é a 71.ª criação d’A Escola da Noite e conta com encenação de António Augusto Barros, interpretação de Ana Teresa Santos, Igor Lebreaud, Miguel Magalhães e Paula Garcia, espaço cénico de António Augusto Barros e João Mendes Ribeiro, figurinos e adereços de Ana Rosa Assunção, luz de Danilo Pinto, som de Zé Diogo e vídeo de Eduardo Pinto.
Estreia a 13 de Maio no Teatro da Cerca de São Bernardo, em Coimbra, mantendo-se em temporada até ao final do mês, de acordo com um calendário a anunciar nos próximos dias, em função das limitações horárias impostas pelo combate à pandemia.

O Torcicologologista, Excelência
Publicado pela Editorial Caminho em 2015, o livro “O Torcicologologista, Excelência” divide-se em duas partes.
Na primeira, integralmente composta por diálogos, “duas excelências, dois senhores que se tratam com muito respeito vão falando sobre várias questões e acima de tudo sobre o absurdo da linguagem, tentando entender o mundo e tentando entender os buracos da linguagem”. A herança da tradição do “diálogo filosófico” é defendida pelo autor: “o diálogo obriga a aparecerem coisas que não apareceriam de outra maneira e é interessante que o diálogo platónico, de onde parte tudo, de alguma maneira, tinha muito esta ideia de que só é possível chegar à verdade através de duas pessoas. O diálogo verdadeiramente diálogo é aquele que me obriga a dizer algo que eu não diria se não tivesse um interlocutor”.
Na segunda parte do livro – “Cidade” – um número indeterminado de humanos cumpre um ritual de voyeurismo cínico. Parecem elaborar ou actualizar um relatório, aparentemente objectivo, sobre a vida íntima dos habitantes da cidade, identificados por números. Através de microscópicas visões das pequenas tragédias, gestos, afectos, paixões e equívocos dos observados, parecem perseguir a utopia de radiografar, apreender, a vida da cidade, o pulsar da sua humanidade. Desse gesto, porque são os observadores que produzem o discurso, afloram, inevitavelmente, interpretações e subjectividades. “É uma espécie de zoom por uma cidade, tentando pensar o que é uma cidade”, afirmou Gonçalo M. Tavares numa entrevista a propósito da edição do livro.

Cidade, Diálogos
O novo espectáculo d’A Escola da Noite cruza as duas partes do livro e prossegue a “investigação sobre a linguagem” que o próprio escritor assumiu como característica da obra: quanto às relações entre as palavras e o movimento, o espaço e a música e quanto ao lugar do indivíduo nesse processo de relação com o outro – emissão/recepção; fala/escuta; poder/submissão; pontos, meios e focos de observação das cidades e do mundo em que habitamos.
A escolha da obra de Gonçalo M. Tavares insere-se numa das linhas de trabalho em que assentam o projecto e a linguagem artística d’A Escola da Noite: a transposição cénica de textos não especificamente teatrais – poesia, contos, parábolas –, caminho que levou já a companhia a autores como Thomas Bernhard, Kafka, Ruy Duarte de Carvalho, Javier Tomeo ou José Rubem Fonseca, entre outros.

Gonçalo M. Tavares
Gonçalo M. Tavares nasceu em Luanda em 1970. É autor de uma vasta obra que está a ser traduzida em cerca de cinquenta países. É considerado um dos mais inovadores escritores europeus, pela forma como rompe as habituais fronteiras entre géneros literários – “não há nenhum género literário puro, todos os géneros literários são impuros, mestiços, morenos, são géneros literários de infinitas raças simultâneas”, afirmou numa entrevista, em 2018. Foi distinguido com mais de vinte prémios literários, em Portugal e no estrangeiro.

TEATRO
Cidade, Diálogos
de Gonçalo M. Tavares
A Escola da Noite

textos Gonçalo M. Tavares
encenação António Augusto Barros
interpretação Ana Teresa Santos, Igor Lebreaud, Miguel Magalhães e Paula Garcia
espaço cénico António Augusto Barros e João Mendes Ribeiro figurinos e adereços Ana Rosa Assunção desenho de luz Danilo Pinto som Zé Diogo vídeo Eduardo Pinto cabelos Carlos Gago
M/14 > 1h30

Coimbra
Teatro da Cerca de São Bernardo

estreia
13 de Maio de 2021
quinta-feira

“Cidade, Diálogos” estreia em Maio

Terça-feira, Abril 20th, 2021
Diário As Beiras, 20/04/2021

Cidade, Diálogos: A Escola da Noite trabalha textos de Gonçalo M. Tavares

Segunda-feira, Abril 19th, 2021

A Escola da Noite está a ensaiar “Cidade, Diálogos”, com textos de Gonçalo M. Tavares seleccionados a partir do livro “O Torcicologologista, Excelência”. Encenado por António Augusto Barros, o espectáculo tem estreia prevista para a primeira quinzena de Maio, no Teatro da Cerca de São Bernardo, em Coimbra.

Gonçalo M. Tavares (© Lusa)

Publicado pela Editorial Caminho em 2015, “O Torcicologologista, Excelência” é definido pelo próprio autor como um “livro estranho”, “muito diferente”, que “tenho dificuldade em aproximar de qualquer outro”. A obra divide-se em duas partes. Na primeira, integralmente composta por diálogos, “duas excelências, dois senhores que se tratam com muito respeito vão falando sobre várias questões e acima de tudo sobre o absurdo da linguagem, tentando entender o mundo e tentando entender os buracos da linguagem”. Na segunda, assistimos a um exercício de observação das pessoas na cidade, identificadas por números. “É uma espécie de zoom por uma cidade, focando um homem que está doente, uma mulher que acabou de se divorciar, um homem que está a correr para ir buscar um filho, tentando pensar o que é uma cidade”, afirmou Gonçalo M. Tavares numa entrevista a propósito da edição do livro.

Cidade, Diálogos
A escolha da obra de Gonçalo M. Tavares insere-se numa das linhas de trabalho que definem o projecto d’A Escola da Noite: a transposição cénica de textos não especificamente teatrais – poesia, contos, parábolas –, caminho que levou já a companhia a autores como Thomas Bernhard, Kafka, Ruy Duarte de Carvalho, Javier Tomeo ou José Rubem Fonseca, entre outros.A forma dialogal em que se baseia a primeira parte de “O Torcicologologista, Excelência” é herdeira da tradição do “diálogo filosófico”, como o próprio autor assume: “o diálogo obriga a aparecerem coisas que não apareceriam de outra maneira e é interessante que o diálogo platónico, de onde parte tudo, de alguma maneira, tinha muito esta ideia de que só é possível chegar à verdade através de duas pessoas. O diálogo verdadeiramente diálogo é aquele que me obriga a dizer algo que eu não diria se não tivesse um interlocutor”. Ainda que distante do género teatral, esta tradição encontra-se com o Teatro na obra de autores como Samuel Beckett, cuja obra A Escola da Noite já visitou por duas vezes e que é figura central no único livro de Gonçalo M. Tavares definido como Teatro: “A colher de Samuel Beckett e outros textos” (Campo das Letras, 2003).

Na segunda parte do livro – “Cidade” – um número indeterminado de humanos cumpre um ritual de voyeurismo cínico. Parecem elaborar ou actualizar um relatório, aparentemente objectivo, sobre a vida íntima dos habitantes da cidade, através de microscópicas visões das suas pequenas tragédias, gestos, afectos, paixões, equívocos. Parecem perseguir a utopia de radiografar, apreender, a vida da cidade, o pulsar da sua humanidade. Desse gesto, porque são os observadores que produzem o discurso, afloram, inevitavelmente, interpretações e subjectividades.

Com um espaço cénico que tira partido da versatilidade do Teatro da Cerca de São Bernardo e que irá surpreender os espectadores, o novo espectáculo d’A Escola da Noite prossegue a “investigação sobre a linguagem” que o próprio Gonçalo M. Tavares assumiu como característica deste livro: quanto às relações entre as palavras e o movimento, o espaço e a música e quanto ao lugar do ser humano nesse processo de relação com o outro – emissão/recepção; fala/escuta; poder/submissão; pontos, meios e focos de observação das cidades e do mundo em que habitamos.

Gonçalo M. Tavares
Gonçalo M. Tavares nasceu em Luanda em 1970. É autor de uma vasta obra que está a ser traduzida em cerca de cinquenta países. É considerado um dos mais inovadores escritores europeus, pela forma como rompe as habituais fronteiras entre géneros literários – “não há nenhum género literário puro, todos os géneros literários são impuros, mestiços, morenos, são géneros literários de infinitas raças simultâneas”, afirmou numa entrevista, em 2018.
Foi distinguido com mais de vinte prémios literários, em Portugal e no estrangeiro: Prémio Fernando Namora (“Uma viagem à Índia”, 2012); Grande Prémio de Romance e Novela da APE e Prémio Fundação Inês de Castro (“Uma viagem à Índia”, 2011); Prix du Meilleur Livre Étranger – França (“Aprender a rezar na era da técnica”, 2010); Premio Internazionale Trieste Poesia – Itália (“1”, 2008); Prémio Oceanos – Brasil (“Jerusalém”, 2007); Prémio José Saramago (“Jerusalém”, 2005), entre outros. Em 2018, recebeu o primeiro prémio pelo conjunto da sua obra, o Prémio Literário Vergílio Ferreira, pela “originalidade da sua obra ficcional e ensaística, marcada pela construção de mundos que entrecruzam diferentes linguagens e imaginários”.

As artes no centro de uma reflexão persistente
Tal como a dança, o cinema e as artes plásticas, também a forma teatral ou para-teatral está presente em muitas das suas ficções e investigações. A publicação do “Atlas do Corpo e da Imaginação” (Caminho, 2013) confirma que as artes são o centro de uma reflexão persistente no trabalho de Gonçalo M. Tavares. Estas incursões no terreno das artes têm feito com que os seus textos saltem dos livros e se repercutam em experiências próprias (com o grupo “Os Espacialistas”) ou em explorações alheias que têm dado origem a objectos artísticos miscigenados e a vários espectáculos de teatro e dança. Numa entrevista recente ao Jornal de Letras, o autor mostra-se satisfeito com essa realidade: “Muitos dos meus livros têm, de facto, dado origem a coisas fora da literatura. Transitam por várias fronteiras. E essa é uma das coisas mais interessantes e até recompensadoras, para mim, ver que saem do leitor e entram no domínio da dança, do teatro, da performance, do vídeo. Há sempre alguém a fazer qualquer coisa sobre os meus textos, uma espécie de leitores-criadores. É uma resposta criativa a uma criação”.
A Escola da Noite vem agora juntar-se a esse caudal com “Cidade, Diálogos”, a 71.ª criação do seu percurso artístico, que contará com as interpretações de Ana Teresa Santos, Igor Lebreaud, Miguel Magalhães e Paula Garcia.

conversas com o bando (ii)

Quinta-feira, Maio 21st, 2009

 

Conversa com a equipa artística de "Jerusalém", d'o bando, ontem à noite

Conversa com a equipa artística de "Jerusalém", d'o bando, ontem à noite

 

Rosinda Costa, João Brites, Raul Atalaia, Nicolas Brites, Cristiana Castro e Suzana Branco

Rosinda Costa, João Brites, Raul Atalaia, Nicolas Brites, Cristiana Castro e Suzana Branco

A noite e a conversa de ontem, depois da última sessão de “Jerusalém”, foram (ainda) mais participadas.

A residência d’o bando em Coimbra prossegue hoje, com o workshop, a conferência de João Brites e a exibição do documentário “Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”.

Sábado e Domingo chega “A Noite”, a partir de Al Berto. Venha assistir e participe nas conversas com os actores no final do espectáculo.

Faça-nos companhia!