Posts Tagged ‘TCSB’

Hoje no TCSB: FUT e amigos

Domingo, Dezembro 15th, 2013

A Filarmónica União Taveirense (aqui num concerto especial realizado no Teatro Loucomotiva, em 2012), actua hoje no Teatro da Cerca de São Bernardo.

O espectáculo é às 17h00 e as entradas custam 5 Euros.

teatro na baixa

Segunda-feira, Outubro 22nd, 2012

Continua a campanha “Teatro na Baixa”.

Faça compras em qualquer uma das 30 lojas aderentes e ganhe vales de desconto que pode utilizar no TCSB.

A começar, por exemplo, na temporada do nosso novo espectáculo, já a partir de quinta-feira.

Faça-nos companhia!

 

foto: Jornal Trevim

esta co-produção

Sexta-feira, Abril 20th, 2012

"O Abajur Lilás" (foto de ensaio, de Paulo Nuno Silva)

O Cendrev e A Escola da Noite pertencem a duas “vagas” distintas da descentralização artística em Portugal, iniciadas há cerca de 40 e 20 anos, respectivamente. O facto de este conceito continuar hoje na ordem do dia e entre as supostas “prioridades” do Governo mostra uma de duas coisas: ou estas companhias (e as suas congéneres espalhadas pelas principais cidades do país) eram particularmente visionárias, ou as políticas de desenvolvimento cultural adoptadas nas últimas décadas foram mesmo inconsequentes.
Os projectos artísticos das duas companhias são indissociáveis das cidades que escolheram para se instalar. Também graças a elas e ao trabalho que têm desenvolvido, é hoje mais difícil imaginar uma cidade média sem estruturas de criação artística que estreiem regularmente espectáculos, que formem novos profissionais, que estabeleçam pontes com as comunidades escolares e universitárias, que apoiem e acolham projectos de novos criadores, que façam parcerias e intercâmbios com outros artistas e companhias, que organizem festivais e dinamizem programações, que justifiquem a construção ou a recuperação de teatros e assegurem o seu funcionamento diário.
Muitas vezes resistindo contra a indiferença, a incompreensão e até (em contextos especiais e felizmente efémeros) à hostilidade daquelas e daqueles que temporariamente são encarregados da coisa pública, o Cendrev e A Escola da Noite têm desta forma ajudado a concretizar a democracia, nas suas cidades e no país. Com o seu trabalho, estas duas companhias e os restantes grupos que prestam serviço público em Portugal têm contribuído para tornar realmente adquirido um direito que só em 1975 ficou formalmente consagrado – o direito de todos os cidadãos à criação e à fruição artística.
Nos dias que correm, esse facto comporta dois perigos, em relação aos quais é necessário que todos (públicos incluídos) estejamos alerta. Por um lado, quem hoje ousa falar e defender direitos adquiridos – da cultura à saúde, da educação ao trabalho e à protecção social – é tratado com desdém e considerado ultrapassado, sobretudo por parte daqueles que, realmente, sempre tiveram tais direitos garantidos. Por outro lado, como apesar das dificuldades que sempre enfrentaram as companhias têm continuado a trabalhar, poucos são os que acreditam que os direitos que elas ajudaram a tornar adquiridos possam voltar a deixar de o ser. E que companhias como o Cendrev e A Escola da Noite deixem de ter condições para existir, ou que teatros municipais como o Garcia de Resende (cujo 120.º aniversário se comemora este ano) e o Teatro da Cerca de São Bernardo deixem de ter profissionais qualificados a assegurar o seu funcionamento regular.
Mais do que em qualquer outro momento nas vidas destas duas companhias, é isto o que está em causa. Mas não é uma inevitabilidade. A concretização desta ameaça dependerá da forma como quisermos e conseguirmos (criadores e espectadores) fazer-lhe frente. Para começar, é preciso levá-la a sério.

A oportunidade para esta co-produção em concreto (a primeira entre as duas companhias) surgiu de forma inesperada no final do ano passado, quando projectávamos os nossos planos de actividade para 2012. Mas as condições para o seu sucesso vêm sendo trabalhadas há muito: o Cendrev e A Escola da Noite são parceiros em vários projectos (Plataforma das Companhias, rede Culturbe, entre outros) e souberam construir entre si uma relação de cumplicidade, que o presente processo veio reforçar.
Montar uma co-produção comporta sempre riscos adicionais. Obriga as estruturas e as pessoas que as compõem a confrontar-se com diferentes linguagens, métodos e processos de trabalho. Obriga a que os intervenientes sejam capazes de se colocar no lugar do outro e que estejam disponíveis para a troca. É por isso e nessas condições, mais do que meras razões de contabilidade e de contenção de custos, que gostamos de as fazer. É por isso e pelo facto de o termos conseguido que, para além do resultado final que agora apresentamos ao público, sentimos ter vencido o desafio e que saímos mais fortes para enfrentar o que aí vem.
Tal como Plínio Marcos nos mostra neste texto, há sempre diferentes formas de reagir perante uma situação de opressão ou de violência ilegítima. Habituados a estas andanças, nós gostamos de as combinar: o pragmatismo e a necessidade de continuar a trabalhar (quase) como se nada fosse, porque interesses mais altos se levantam; a irresistível tentação de explodir de vez em quando, porque há limites que não podem ser ultrapassados; a serena (e irresponsável?) convicção de que tudo isto é passageiro e de que os Giros e os respectivos capangas que hoje nos atormentam (e as sombras que eles nos recordam) não levarão a melhor.
Animam-nos dois factores adicionais, com que as personagens de Plínio não podiam contar: o “amor à arte” e a solidariedade dos clientes.

A Escola da Noite / CENDREV,
Abril de 2012.

in programa do espectáculo

Amanhã no IV Festival das Companhias

Quarta-feira, Junho 23rd, 2010

Quinta 24

15h00 Casa Municipal da Cultura, Sala Sá de Miranda | Mesa Redonda – A criação artística nas cidades médias

com as presenças confirmadas de: Dr. Jorge Barreto Xavier, Director da DGArtes; Dr. João Luis Sequeira da Direcção Regional de Cultura do Norte; Dra. Cláudia Sousa Pereira, Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Évora; Dra. Dália Paulo, da Direcção Regional de Cultura do Algarve; Dra. Ilda Carneiro, Vereadora da Cultura da CMBraga; Prof. Doutora Maria José Azevedo Santos, Vereador da Cultura da CMCoimbra.

21:30 Teatro da Cerca de São Bernardo | O Fim, apresentado pelo Centro Dramático de Évora (CENDREV) 

“O Fim”, de António Patrício (1878-1930), é uma fábula cénica alucinatória na qual o dramaturgo transfigurou a iminente queda da monarquia em Portugal, que aconteceria um ano depois da peça ser publicada em 1909.

Uma velha Rainha louca num Paço arruinado que aguarda uma recepção de aniversário que não se realizará; o país a ser invadido por potências estrangeiras que desembarcam em Lisboa; a resistência popular, sacrificial e espontaneamente organizada, contra as forças ocupantes; a perturbante personagem épica de um desconhecido que relata a batalha mortal que ocorre nas ruas, à maneira de um mensageiro de tragédia grega.

Editado um ano antes da queda, nele anunciada e efabulada, do regime monárquico em Portugal, esta obra dramática, que permanece polémica e paradoxal, é hoje a mais representada das peças de António Patrício, após a sua tardia estreia cénica em 1971, na Casa da Comédia, graças ao encenador Jorge Listopad, que então a redescobriu.

texto António Patrício versão dramatúrgica Armando Nascimento Rosa e Victor Zambujo encenação Victor Zambujo cenografia Acácio Carvalho figurinos Manuela Bronze orgânica sonora David Martins interpretação Álvaro Corte Real, Jorge Baião, Maria Marrafa, Rosário Gonzaga e Rui Nuno

Hoje no TCSB

Quarta-feira, Junho 16th, 2010

Vera Mantero

“Vamos sentir falta de tudo aquilo de que não precisamos mostra-nos objectos do mundo. Entre esses objectos e quem os manipula há um efeito de ricochete, um movimento de revelação de sentidos outros, inesperados. Entre esses objectos, quem os manipula e o espectador há um triângulo – uma tensão que empurra as margens das ideias e das sensações até à vibração dos símbolos. Perante estes objectos, as ideias são caminhos para outras ideias e, como em todos os caminhos, há troços que se abrem, se apertam e se bifurcam. Podemos percorrê-los com ritmos e respirações diferentes, como se os pensamentos ganhassem forma pelo modo como pulsam e se friccionam. São objectos do mundo, em contacto e em curto circuito, algures a caminho entre o lado material e o lado etéreo das coisas, entre o quotidiano e o onírico, entre o genérico e o excepcional. E, quem sabe, é nesse “trocar as voltas” ao mundo de todos os dias – esse mundo de objectos genéricos para produção, consumo e desperdício – que podemos tocar um outro lado das coisas.”

Rita Natálio, texto no programa do espectáculo

16 de Junho | quarta | 21h30 | Teatro da Cerca de São Bernardo | Coimbra

INFO 239 718 238 / 966 302 488 / geral@aescoladanoite.pt

M/14 > 1h20 > Bilhetes entre 6 e 10€

direcção artística Vera Mantero interpretação e co-criação Christophe Ives, Marcela Levi, Miguel Pereira e Vera Mantero dispositivo cenográfico e figurinos Nadia Lauro colaboração dramatúrgica Rita Natálio música e sonoplastia Andrea Parkins desenho de luz Erik Houllier operação de som Rui Dâmaso operação de luz Jean-Marc Segalen

(foto de Laurent Philippe)