Cidade, Diálogos até 30 de Maio, de quarta a domingo

“Cidade, Diálogos” – foto de ensaio (© Eduardo Pinto)

A Escola da Noite estreia a 13 de Maio “Cidade, Diálogos”, com textos de Gonçalo M. Tavares seleccionados a partir do livro “O Torcicologologista, Excelência”. O espectáculo fica em cena em Coimbra, no Teatro da Cerca de São Bernardo, até 30 de Maio, de quarta a domingo.

“Cidade, Diálogos” é a 71.ª criação d’A Escola da Noite e conta com encenação de António Augusto Barros, interpretação de Ana Teresa Santos, Igor Lebreaud, Miguel Magalhães e Paula Garcia, espaço cénico de António Augusto Barros e João Mendes Ribeiro, figurinos e adereços de Ana Rosa Assunção, luz de Danilo Pinto, som de Zé Diogo e vídeo de Eduardo Pinto.
Estreia a 13 de Maio no Teatro da Cerca de São Bernardo, em Coimbra, mantendo-se em temporada até ao final do mês, com sessões de quarta a sábado às 19h00 e aos domingos às 16h00. Já é possível reservar bilhetes, pelos contactos habituais do TCSB: 239 718 238 / 966 302 488 / geral@aescoladanoite.pt.

O Torcicologologista, Excelência
Publicado pela Editorial Caminho em 2015, o livro “O Torcicologologista, Excelência” divide-se em duas partes.
Na primeira, integralmente composta por diálogos, “duas excelências, dois senhores que se tratam com muito respeito vão falando sobre várias questões e acima de tudo sobre o absurdo da linguagem, tentando entender o mundo e tentando entender os buracos da linguagem”. A herança da tradição do “diálogo filosófico” é defendida pelo autor: “o diálogo obriga a aparecerem coisas que não apareceriam de outra maneira e é interessante que o diálogo platónico, de onde parte tudo, de alguma maneira, tinha muito esta ideia de que só é possível chegar à verdade através de duas pessoas. O diálogo verdadeiramente diálogo é aquele que me obriga a dizer algo que eu não diria se não tivesse um interlocutor”.
Na segunda parte do livro – “Cidade” – um número indeterminado de humanos cumpre um ritual de voyeurismo cínico. Parecem elaborar ou actualizar um relatório, aparentemente objectivo, sobre a vida íntima dos habitantes da cidade, identificados por números. Através de microscópicas visões das pequenas tragédias, gestos, afectos, paixões e equívocos dos observados, parecem perseguir a utopia de radiografar, apreender, a vida da cidade, o pulsar da sua humanidade. Desse gesto, porque são os observadores que produzem o discurso, afloram, inevitavelmente, interpretações e subjectividades. “É uma espécie de zoom por uma cidade, tentando pensar o que é uma cidade”, afirmou Gonçalo M. Tavares numa entrevista a propósito da edição do livro.

Cidade, Diálogos
O novo espectáculo d’A Escola da Noite cruza as duas partes do livro e prossegue a “investigação sobre a linguagem” que o próprio escritor assumiu como característica da obra: quanto às relações entre as palavras e o movimento, o espaço e a música e quanto ao lugar do indivíduo nesse processo de relação com o outro – emissão/recepção; fala/escuta; poder/submissão; pontos, meios e focos de observação das cidades e do mundo em que habitamos.
A escolha da obra de Gonçalo M. Tavares insere-se numa das linhas de trabalho em que assentam o projecto e a linguagem artística d’A Escola da Noite: a transposição cénica de textos não especificamente teatrais – poesia, contos, parábolas –, caminho que levou já a companhia a autores como Thomas Bernhard, Kafka, Ruy Duarte de Carvalho, Javier Tomeo ou José Rubem Fonseca, entre outros.

Gonçalo M. Tavares
Gonçalo M. Tavares nasceu em Luanda em 1970. É autor de uma vasta obra que está a ser traduzida em cerca de cinquenta países. É considerado um dos mais inovadores escritores europeus, pela forma como rompe as habituais fronteiras entre géneros literários – “não há nenhum género literário puro, todos os géneros literários são impuros, mestiços, morenos, são géneros literários de infinitas raças simultâneas”, afirmou numa entrevista, em 2018. Foi distinguido com mais de vinte prémios literários, em Portugal e no estrangeiro.

TEATRO
Cidade, Diálogos
de Gonçalo M. Tavares
A Escola da Noite

textos Gonçalo M. Tavares
encenação António Augusto Barros
interpretação Ana Teresa Santos, Igor Lebreaud, Miguel Magalhães e Paula Garcia
espaço cénico António Augusto Barros e João Mendes Ribeiro figurinos e adereços Ana Rosa Assunção desenho de luz Danilo Pinto som Zé Diogo vídeo Eduardo Pinto cabelos Carlos Gago
M/14 > 1h30

Coimbra
Teatro da Cerca de São Bernardo
13 a 30 de Maio de 2021
quarta a sábado, 19h00
domingos, 16h00

informações e reservas:
239 718 238 / 966 302 488 / geral@aescoladanoite.pt

Tags: ,

Leave a Reply

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.