Archive for the ‘coimbra’ Category

Segue-me à Capela têm novo disco

Terça-feira, Dezembro 22nd, 2015

capaFB

As Segue-me à Capela fazem hoje em Coimbra uma sessão de apresentação e entrega dos primeiros exemplares do seu novo CD/Livro, “San’joanices, paganices e outras coisas de mulher”. É no Conservatório de Música de Coimbra, pelas 18h30, e prevê, claro, um momento para autógrafos das artistas.
O grande concerto de apresentação em Coimbra será no Teatro da Cerca de São Bernardo, ainda no primeiro trimestre de 2016. Muito, muito em breve, anunciaremos a data. Estejam atentos/as!

Encontros Mágicos começam hoje

Terça-feira, Setembro 16th, 2014

18 magicos

Começa hoje a 18.ª edição dos Encontros Mágicos – Festival Internacional de Magia de Coimbra.

Luke Jermay apresenta amanhã no Teatro da Cerca de São Bernardo o espectáculo “Sixth Sense”. Reserve os seus lugares!

MAGIA
Sixth Sense
por Luke Jermay
17 de Setembro
quarta-feira, 21h30
10 Euros
espectáculo falado em inglês
apresentado no âmbito da 18.ª edição dos Encontros Mágicos – Festival Internacional de Magia de Coimbra

http://sixthsenseshow.com

Encontros Mágicos – 18º Festival Internacional de Magia de Coimbra

Quinta-feira, Setembro 11th, 2014

encontrosmagicos

Foi ontem apresentada, numa “video-conferência de imprensa”, a programação dos Encontros Mágicos.

Entre 16 e 21 de Setembro, 18 mágicos de 12 países diferentes vão percorrer vários espaços da cidade, num programa que inclui “mais de 110 apresentações”. A Praça 8 de Maio, as ruas Visconde da Luz e Ferreira Borges, o Largo da Portagem, o Hospital Pediátrico e o Estabelecimento Prisional de Coimbra, para além do Teatro Académico de Gil Vicente, são alguns dos locais onde poderá deixar-se surpreender.

Ao TCSB, já sabe, a magia chega no dia 17, com um espectáculo que está a gerar muita expectativa: “Sixth Sense”, de Luke Jermay. Reserve os seus lugares!

MAGIA
Sixth Sense
por Luke Jermay
17 de Setembro
quarta-feira, 21h30
10 Euros
espectáculo falado em inglês
apresentado no âmbito da 18.ª edição dos Encontros Mágicos – Festival Internacional de Magia de Coimbra

http://sixthsenseshow.com

 

Rir por último

Segunda-feira, Setembro 8th, 2014
ensaio44

Igor Lebreaud, Miguel Magalhães e Sofia Lobo, ensaio de “Auto dos Físicos” (foto: Pedro Rodrigues)

Começam hoje as comemorações do 35º aniversário do Serviço Nacional de Saúde, organizadas pela Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos.

A Escola da Noite, que integra a programação com a ante-estreia de “Auto dos Físicos”, tem orgulho em viver num país que soube inventar o SNS. E não aceita que o destruam.

 

"Auto dos Físicos" (ensaio; foto: Pedro Rodrigues)

Miguel Magalhães e Filipe Eusébio, ensaio de “Auto dos Físicos” (foto: Pedro Rodrigues)

RIR POR ÚLTIMO

Um século antes de Molière escrever “O doente imaginário”, Gil Vicente resolveu brincar com os médicos da Corte, caricaturando quatro dos mais conhecidos “físicos” da sua época.

Na senda do que é uma irresistível tentação dos artistas desde a Antiguidade e dentro do espírito bem humorado com que nos deixou retratado o Portugal de Quinhentos, Vicente não podia ignorar uma “classe” que, pela matéria com que trabalha e pelo estatuto que adquire, sempre suscita entre os comuns mortais uma mistura de sentimentos: admiração, respeito, idolatria, desconfiança, suspeita, inveja, inquietação. Não por acaso, eles são aqui colocados “a par” dos padres – uma “razão a mais – escreveu Alberto da Rocha Brito em 1936 – para estarmos nós, os médicos, gratos a Gil Vicente pela amável companhia dada aos nossos quatro remotíssimos colegas”.

Vem mais do que nunca a propósito o velho ditado: “rir é o melhor remédio”. Se é certo que os contraditórios diagnósticos que os quatro médicos trazem à cena terão divertido a plateia da época, é hoje um desafio perceber se o humor de Vicente sobreviveu ao passar dos séculos. Tal como é motivador avaliar até que ponto mantemos – não obstante os avanços da ciência e da técnica, as alterações nas hierarquias sociais e as dificuldades com que nos confrontamos no dia-a-dia – a capacidade de nos rirmos, sobretudo das coisas sérias e incluindo de nós próprios.

Assim como Gil Vicente e os seus espectadores se divertiram com estes “físicos”, também vários médicos se divertiram, ao longo dos anos, a escalpelizar a peça e os “actos médicos” nela enunciados. Ricardo Jorge, Egas Moniz, Maximiano Lemos e Rocha Brito são apenas alguns exemplos do interesse que o texto tem suscitado entre a classe.
Muitos destacam a fidelidade das prescrições ao conhecimento médico-científico que existia na altura, o que não deixa de ser assinalável e contém um inegável interesse histórico. Mas é ainda mais relevante o diálogo construído pelo autor entre o conhecimento científico, a sabedoria popular e uma miríade de crendices e superstições, muitas das quais perduram até aos nossos dias. É frequentemente assinalado o génio de Gil Vicente, materializado na capacidade de ver além do seu tempo e de transformar essa visão em objectos artísticos. Eis, na forma desassombrada e sem preconceitos com que nos apresenta estas diferentes formas de conhecimento, uma prova mais da contemporaneidade de um homem que viveu e escreveu há 500 anos.
Numa outra perspectiva, não obrigatoriamente contraditória com este registo, há quem não tenha dúvidas em afirmar que o verdadeiro alvo da sátira não são os médicos em si (e muito menos os quatro escolhidos como personagens), mas a própria medicina que em Portugal se praticava na altura – “estagnada, enquistada, cristalizada nos velhos moldes da escolástica” (Alberto da Rocha Brito). A par da moralidade cristã que nunca escondeu, Gil Vicente integra na sua obra marcas de inconformismo e preocupações com um mundo mais livre e mais humano que ainda hoje nos interpelam.

ensaio50

Filipe Eusébio e Maria João Robalo, ensaio de “Auto dos Físicos” (foto: Pedro Rodrigues)

Não é necessário recuar 500 anos nem sair de Portugal para perceber que o mundo e as condições de vida podem melhorar. Porque tratam da vida e da morte, as questões da saúde são aquelas a que somos mais sensíveis e não há regime ou governo que ouse desvalorizá-las publicamente.
A experiência, contudo, obriga-nos a estar atentos. Se não o sentíssemos nos nossos corpos e nos corpos dos nossos pais e dos nossos avós, as estatísticas seriam suficientes para o provar: o Serviço Nacional de Saúde, criado em 1979, é uma das principais conquistas da democracia portuguesa. Tão justo e ajustado à dignidade humana que facilmente é dado como natural, até por quem sabe o que foi viver sem ele – como se sempre tivesse existido, como se existisse em todo o lado e como se não precisássemos de fazer nada para que continue a existir.
Talvez seja por isso que demoramos a acreditar e a perceber que está a ser destruído, em nome de um liberalismo selvagem que atropela a humanidade e a solidariedade em nome do dinheiro e da ganância.
Festejar os 35 anos do SNS na terra de um dos seus principais criadores – o Dr. António Arnaut – é pois mais do que um acto de justiça e de memória. É a demonstração de que instituições e cidadãos, profissionais e utentes, não se resignam nem se conformam com supostas inevitabilidades.
Entre outras formas, demonstramo-lo rindo, tirando o maior partido dessa capacidade humana que sobrevive até às maiores adversidades.
Rimos por princípio e havemos de rir por último.

A Escola da Noite
Setembro de 2014

Auto dos Físicos
de Gil Vicente
pel’A Escola da Noite
encenação António Augusto Barros interpretação Filipe Eusébio, Igor Lebreaud, Maria João Robalo, Miguel Magalhães, Sofia Lobo elemento cénico João Mendes Ribeiro figurinos e adereços Ana Rosa Assunção co-produção A Escola da Noite / Ordem dos Médicos

ANTE-ESTREIA
14 de Setembro
domingo, 17h00
Pavilhão Centro de Portugal
entrada livre
no âmbito das comemorações do 35º aniversário do Serviço Nacional de Saúde

ESTREIA E TEMPORADA PARA O PÚBLICO EM GERAL
25 a 28 de Setembro
quinta a sábado, 21h30; domingo, 16h00
Teatro da Cerca de São Bernardo
5 a 10 Euros
entrada gratuita para professores

SESSÕES PARA ESCOLAS
30 de Setembro a 13 de Novembro
terça a quinta-feira, 11h00 ou 15h00
Teatro da Cerca de São Bernardo
3 Euros / aluno; entrada gratuita para professores acompanhantes e alunos abrangidos pelo escalão A da ASE

informações e reservas: 239 718 238 / 966 302 488 / geral@aescoladanoite.pt

celebrar (e defender) o SNS

Quinta-feira, Setembro 4th, 2014

Vamos organizar diversas atividades culturais, mas vamos também colocar a sociedade a pensar, através de debates e tertúlias. Vamos sair à rua, ao encontro dos cidadãos, para lhes mostrar que o SNS está vivo e que está nas mãos de todos nós lutar pela defesa da sua saúde.
Apesar das medidas que têm vindo a ser tomadas e que o têm enfraquecido, mantemos orgulho no SNS. Aquele SNS que tem servido de exemplo a muitos países por todo o mundo. Aquele SNS que permitiu ganhos significativos em saúde. Aquele SNS que tem a pessoa no seu centro e que continua a ser condição indispensável para uma sociedade que se quer democrática, livre e justa.

P’la Comissão Organizadora,
Inês Morgadinho Barros de Mesquita

 

cartazOM

A Escola da Noite associa-se às comemorações do 35º aniversário do Serviço Nacional de Saúde, promovidas pela Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, com a ante-estreia da sua nova produção: o “Auto dos Físicos”, de Gil Vicente.

Terá lugar no próximo dia 14 de Setembro, domingo, pelas 17h00, no Pavilhão Centro de Portugal, no âmbito de um vasto programa que decorre ao longo de toda a semana em várias cidades da Região Centro.